Há mais no morrer do que mostram as aparências

Martha Atkins é uma pesquisadora, aconselhadora e consultora norte americana para assuntos de morte e luto.

Estudou práticas intuitivas e cura energética por mais de 20 anos e divide, na palestra a seguir, um pouco de sua experiência e insight a respeito de fenômenos amplamente testemunhados por familiares de pessoas que viveram seus momentos finais nesta encarnação.

Os depoimentos relatados por Martha são muito tocantes e evidenciam a continuidade da vida após a morte.

Projetado com Grays

Relato de projeção astral por Saulo Calderon

Recife, 20 de novembro de 2014.

Bom dia, amigos.

Venho aqui relatar uma das experiências mais marcantes pra mim.
Raramente tenho contato como esse e acho que aconteceu devido aos questionamentos que havia feito no momento de deitar.

Fui deitar por volta das 23 horas, mas ainda fiquei na cama acordado e fazendo técnica pelo menos uma hora. Durante o processo fiquei pensativo sobre a dificuldade em sair do corpo, a dificuldade na comprovação das experiências e também na forma como mantenho os projetos do GVA, meio que sozinho e na necessidade de sair do corpo para continuar reforçando o que falo. Tem momentos que chegava a pensar em parar o projeto de divulgação para poder melhorar minhas projeções. Pesquisar mais, ir mais a fundo em mim mesmo, buscar respostas mais precisas, formas melhores de abordar… Fiquei nesses questionamentos enquanto mexia as energias.

Nem percebi quando as energias se intensificaram, quase havia perdido a consciência.

Senti o estado vibracional muito fortemente e também os zumbidos intracranianos. Esses são repercussão da atividade cerebral ainda relativamente alta e também do deslocamento da consciência de um veículo de manifestação para outro, o que causa, além disso, espasmos musculares, o queixo balançando, os olhos tremendo… Sim, é quase uma semi-epilepsia, devido ao corpo físico perder contato com o comando e o cérebro estar conectado com os acontecimentos.

Levantei do corpo e parei ao lado da cama!

Normalmente não se faz isso, pois somos puxados de volta. Mas eu estava tão questionador que sentei numa cadeira no quarto e fiquei calmamente olhando para meu corpo e o da esposa dormindo. Faço isso eventualmente, fico ali questionando até onde isso não era uma ilusão, uma criação cerebral, algum tipo de fuga ou loucura. Mas encontrava minha consciência vigilante dizendo que não, que aquilo era real e estava lúcido fora daquela bolota gorda de carne.

Fiquei pensando no quanto somos apagados, no que poderia fazer para melhorar isso. Questionei tão alto nos pensamentos que quase podia ouvir:

Por que apagamos desse jeito?

Num Universo tão grande como esse, por que somos seres tão pequenos?

Por que não sabemos de algo tão simples como está aqui?

Nessa hora senti uma força me chamando. Uma força íntima incrível me pediu para voar pela janela. E fiz.

Decolei pela janela do quarto e peguei altura. Senti minha consciência abrir muito fortemente e a liberdade espiritual me deu uma alegria sem tamanho! Voava e sentia o vento batendo no meu rosto astral. ERA DELICIOSO!

Voei até chegar numa praia e pousei ali. Olhei para o céu, para as estrelas e fiquei admirando! Lembrei do meu corpo deitado e falei em voz alta:

– Cuidado não voltar para lá, mantenha as emoções calmas!

Então vi uma luz no céu bem forte. Ela se movimentava e parecia me chamar, senti que era para seguir e assim fiz. Percebi que ela parou e quando me aproximei fui sugado em sua direção por uma força impressionante. A sensação que tive foi de 1000 vezes a força da gravidade no meu corpo, não tinha como se defender daquilo e parei de lutar, deixei que acontecesse enquanto tentava manter o emocional calmo.

Quando cheguei perto vi que era um tipo de nave, mas não consegui identificar a forma. Percebi que estava num ambiente cheio de luz azul por todo lado e logo pelo menos uns 20 ETs estavam me cercando. Eu era maior que todos eles, eram os grays, com certeza eram eles.

Eram lindos! Seus corpos brilhavam muito e perguntei: Vocês estão em astral, né?

Recebi uma resposta mental: “Não, nós não usamos o corpo astral da forma como você imagina, mas uma manifestação de energia para ficar na mesma frequência.”

E não perdi tempo, comecei a questionar, mesmo sentindo que de alguma forma eles tentavam acalmar minha mente para que não perguntasse coisas que eu não poderia entender. Por favor, queria perguntar, não me neguem isso e nem a oportunidade: Por que é tão difícil assim vencermos as barreiras e sabermos da continuidade simples da vida?

Senti um amor muito grande deles por mim no momento que fiz essa questão. Foi como se fosse um filho que começava a acordar, como se eles estivessem tentando ajudar há tempos e só agora conseguissem algum tipo de resposta de nossa parte, e veio uma resposta mais ou menos nessas palavras na minha mente, mas a sensação era de uma voz mais alta que se fosse em áudio:

“Vocês estão crescendo muito, mal percebem como já melhoraram! O tempo de um contato com irmãos de outras galáxias se aproxima. Estão chegando na fase onde não vivem mais somente para si mesmos. Algumas informações já estão sendo passadas em todo o planeta em dimensões como essa que estamos agora. Intuições estão chegando em todo lugar e novos acessos logo estarão disponíveis. A uma criança não se pode permitir toda ação. Logo vocês conhecerão que a consciência é o veículo de viagem. O homem hoje tenta a todo custo chegar no seu corpo de carne em algum lugar, isso não é possível. Esse tipo de energia pertence somente a esse planeta. Assim como está aqui conosco viajando, perceberão em breve que a forma de viajar pelo universo é através da consciência e isso só é possível quando já se tem gravado em si mesmo a ética, o respeito e o sentimento elevado e isso gera uma inteligência para acessar locais como esse.”

Então é por isso que estamos tão apagados?

“Todos nós somos apagados e acessamos aquilo de acordo com o despertar interno. Logo estarão prontos e terão acesso na tecnologia para irem além. Não desista de continuar tentando.”

E perguntei: Como acessei vocês? Raramente venho em experiências como essas. Como vocês sabem, nosso mundo é muito carente e a maioria das poucas oportunidades que tenho são para ajudarem nossos cidadãos em zonas inferiores, ainda perdidos em si mesmos.

“Seus questionamentos foram ouvidos. Todos são ouvidos, somos muitos aqui, a maioria não consegue lembrar do contato e são atendidos inconscientes . Os poucos que lembram acabam por criarem uma lembrança ruim, pelo instinto natural do medo que ainda estão envoltos.”

Recebi um verdadeiro abraço daqueles seres. Todos me rodearam e me abraçaram, transmitindo um amor sereno. Tão sereno que eu não cabia em mim. Era uma felicidade sem tamanho. Nada poderia explicar o amor deles por nós.

Na verdade eu me sentia um pet amado de um jeito incomensurável por sua família. Foi exatamente assim que me senti, um pequeno cachorrinho cuidado com o maior dos amores já visto, pois eu sabia que eles me olhavam de um jeito superior, onde entendiam que eu não poderia compreender o que eles sabiam. Mesmo eu estando ali, consciente fora do corpo, tendo vencido a barreira do corpo físico, eu ainda era para eles um menino, uma criança, um bebê, onde trocavam as fraldas e me abraçavam com um amor fora de série.
Dei as mãos para dois deles e um me pediu para me ajoelhar e tocou minha testa com sua mão brilhante, tentei ainda perceber quantos dedos aquele “papai” tinha, mas não consegui.

Só abri os olhos no corpo físico totalmente arrepiado e com saudades deles. Ainda percebi as energias fortíssimas no ambiente. E o vazio total. Meus “donos” haviam ido. Senti-me num canil com vontade de chorar, risos. Mas acalmei o coração e entendi o meu tamanho e importância por aqui. E respondi a mim mesmo:

Faça a sua parte, Saulo! Faça a sua simples parte. Continue adiante, questionando e dando o seu melhor por onde passar.

E você que lê esse texto, o que espera?
O que tem pensado em relação à sua passagem por aqui?
O que tem feito?
O que tem refletido?

Não estamos sós nessa jornada, não MESMO!
Não desista de ser uma boa pessoa e trazer a maior das bagagens: SER UMA PESSOA ÉTICA!

Vale a pena ser sincero e honesto por um motivo simples: Aonde quer que você vá, você estará levando essa força dentro de você. Faça disso a sua presença. E VOE dentro de si mesmo!

Que saudade do povo cabeçudo e dos “Zoião”. São nossos irmãos maiores e aguardam o nosso despertar interior. E já trabalham nos bastidores ajudando a gente de uma maneira que nem imaginamos…

Muita paz e LUZ dentro de você.

Saulo Calderon