Você se preocupa demais? É possível relaxar

Dados do Instituto Americano de Terapia Cognitiva revelam que 38% das pessoas se preocupam todos os dias. Só nos Estados Unidos mais de 19 milhões são preocupados crônicos. A preocupação é uma visualização negativa. É um foco no medo, que leva à tensão, ansiedade, raiva e fadiga.

Abaixo, o Sr Preocupação (Mr Worry):


Para melhor vizualização das legendas sugerimos assistir ao vídeo em tela cheia.

Algumas dicas para ajudá-lo a parar de se preocupar:

Espere o melhor

Uma atitude positiva faz maravilhas e nos impede de cair no poço escuro da preocupação e obsessão. Mantenha-se focado no que está dando certo em sua vida.

Prepare-se para o pior

Dale Carnegie oferece alguns conselhos clássicos sobre como parar de se preocupar e começar a viver. Em primeiro lugar, identifique o cenário de pior caso. Aceite-o. Em seguida, comece a melhorar para lidar com esse cenário. Ao mesmo tempo, pergunte a si mesmo: “O quão provável de acontecer é este cenário de pior caso?”

Anote as suas preocupações

Registrar as preocupações por escrito pode ajudar a canalizar a energia tensa, e ajudar a identificar o verdadeiro motivo da sua ansiedade. Com isso você pode trabalhar para resolver esses problemas de forma racional e objetiva.

Não vale a pena

Reconheça que simplesmente não vale o seu tempo e a sua energia a obsessão com as pequenas coisas da vida, nem com as questões, eventos e pessoas sobre as quais você não tem controle.

Um dia de cada vez

É importante planejar bem, e se preparar para o futuro. Uma lista diária pode ajudá-lo a quebrar as tarefas maiores em tarefas menores e mais realistas. Depois de fazer a sua lista, coloque o foco nas coisas que estão mais perto e mais alcançáveis. Concentre-se em fazer o máximo do momento presente.

Confie em si mesmo

Cada vez que você estiver se preocupando com algum evento futuro, lembre-se de que você será capaz de lidar com o problema quando ele surgir. Tente desenvolver um senso de confiança em si mesmo para lidar com qualquer coisa que venha no seu caminho. A melhor maneira de desenvolver isso é carregar a sua “bateria de autoconfiança”. Reflita sobre todos os seus sucessos – aquelas vezes em que você instantaneamente fez bem alguma coisa. Gaste menos tempo se preocupando com o que poderia acontecer, pense no que já aconteceu e em como você lidou bem com aquilo.

Procure ajuda

Apoio é vital, mas tenha cuidado para não exagerar quando falar com seus amigos. Lembre-se de que o nível de stress que você experimenta está diretamente relacionado com a forma como você internaliza a ideia.

Mantenha-se ocupado

George Bernard Shaw disse: “O segredo para ser infeliz é ter tempo livre para se preocupar se você é feliz ou não.” Se você está obcecado com algo que você sabe que é bobagem, distraia-se. Inicie um novo projeto. Leve as crianças para tomar sorvete. Ligue para a sua mãe.

Viva a concentração

Técnicas com base em ensinamentos budistas pregam viver o momento presente e experimentar todas as emoções, mesmo as negativas. Costumamos nos concentrar (ou seja, estar no centro de nossa vida) quando estamos imersos em nossa música predileta ou numa conversa animada com os amigos. Uma forma eficaz de “permanecer” no presente é praticar a respiração profunda, deixando o corpo relaxar e a tensão dos músculos desaparecer.

De olho no passado

Examine as preocupações que o incomodaram e hoje já não fazem mais sentido. Você tem dificuldade de lembrar quais são? Provavelmente isso significa que aquelas preocupações nunca se tornaram realidade ou que você conseguiu lidar com elas e esquecê-las. Essa forma de pensar ajuda a redimensionar as inquietações atuais.

Mantenha a fé

Sua fé religiosa ou espiritual pode fazer uma grande diferença para romper o hábito de preocupação. Ela pode ajuda-lo a entregar as ansiedades a uma força maior que você mesmo.

Texto adaptado de Susie Cortright e da Revista Mente & Cérebro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.